sexta-feira, 18 de março de 2011

UMA FÁBULA SOBRE A FÁBULA


Allahur Akbar! Allahur Akbar! (Deus é grande! Deus é grande!)
Quando Deus criou a mulher criou também a fantasia. Um dia a Verdade resolveu visitar um grande palácio. E havia de ser o próprio palácio em que morava o sultão Harun Al-Raschid.
Envolta em lindas formas num véu claro e transparente, foi ela bater à porta do rico palácio em que vivia o glorioso senhor das terras mulçumanas. Ao ver aquela formosa mulher, quase nua, o chefe dos guardas perguntou-lhe:
- Quem és?
- Sou a Verdade! - respondeu ela, com voz firme. - Quero falar ao vosso amo e senhor, o sultão Harun Al-Raschid, o Cheique do Islã! O chefe dos guardas, zeloso da segurança do palácio, apressou-se em levar a nova ao grão-vizir:
- Senhor, - disse, inclinando-se humilde, - uma mulher desconhecida, quase nua, quer falar ao nosso soberano, o sultão Harun Al-Raschid, Príncipe dos Crentes.
- Como se chama?
- Chama-se a Verdade!
- A Verdade! - exclamou o grão-vizir, subitamente assaltado de grande espanto. - A Verdade quer penetrar neste palácio! Não! Nunca! Que seria de mim, que seria de todos nós, se a Verdade aqui entrasse? A perdição, a desgraça nossa! Dize-lhe que uma mulher nua, despudorada, não entra aqui!
Voltou o chefe dos guardas com o recado do grão-vizir e disse à Verdade:
- Não podes entrar, minha filha. A tua nudez iria ofender o nosso Califa. Com esses ares impúdicos não poderás ir à presença do Príncipe dos Crentes, o nosso glorioso sultão Harun Al-Raschid. Volta, pois, pelos caminhos de Allah!
Vendo que não conseguiria realizar o seu intento, ficou muito triste a Verdade, e afastou-se lentamente do grande palácio do magnânimo sultão Harun Al-Raschid, cujas portas se lhe fecharam à diáfana formosura!
Mas...
Allahur Akbar! Allahur Akbar!
Quando Deus criou a mulher, criou também a Obstinação. E a Verdade continuou a alimentar o propósito de visitar um grande palácio. E havia de ser o próprio palácio em que morava o sultão Harun Al-Raschid...
Cobriu as peregrinas formas de um couro grosseiro como os que usam os pastores e foi novamente bater à porta do suntuoso palácio em que vivia o glorioso senhor das terras mulçumanas.
Ao ver aquela formosa mulher grosseiramente vestida com peles, o chefe dos guardas perguntou-lhe:
- Quem és?
- Sou a Acusação! - respondeu ela, em tom severo. - Quero falar ao vosso amo e senhor, o sultão Harun Al-Raschid, Comendador dos Crentes!
O chefe dos guardas, zeloso da segurança do palácio, correu a entender-se como o grão-vizir.
- Senhor - disse, inclinando-se humilde, - uma mulher desconhecida, o corpo envolto em grosseiras peles, deseja falar ao nosso soberano, o sultão Harun Al-Raschi
- Como se chama?
- A Acusação!
- A Acusação? - repetiu o grão-vizir, aterrorizado. - A Acusação quer entrar nesse palácio? Não! Nunca! Que seria de mim, que seria de todos nós, se a Acusação aqui entrasse! A perdição, a desgraça nossa! Dize-lhe que não, que não pode entrar! Dize-lhe que uma mulher, sob as vestes grosseiras de um zagal, não pode falar ao Califa, nosso amo e senhor!
Voltou o chefe dos guardas com a proibição do grão-vizir e disse à Verdade.
- Não podes entrar, minha filha. Com essas vestes grosseiras, próprias de um beduíno rude e pobre, não poderás falar ao nosso amo e senhor, o sultão Harun Al-Raschid. Volta, pois, em paz, pelos caminhos de Allah!
Vendo quem não conseguiria realizar o seu intento, ficou ainda mais triste a Verdade e afastou-se vagarosamente do grande palácio do poderoso Harun Al-Raschid, cuja cúpula cintilava aos últimos clarões do sol poente.
Mas...
Allahur Akbar! Allahur Akbar!
Quando Deus criou a mulher, criou também o Capricho.
E a Verdade entrou-se do vivo desejo de visitar um grande palácio. E havia de ser o próprio palácio em que morava o sultão Harun Al-Raschid.
Vestiu-se com ríquissimos trajos, cobriu-se com jóias e adornos, envolveu o rosto em um manto diáfano de seda e foi bater à porta do palácio em que vivia o glorioso senhor dos Árabes.
Ao ver aquela encantadora mulher, linda como a quarta lua do mês de Ramadã, o chefe dos guardas perguntou-lhe:
- Quem és?
- Sou a Fábula - respondeu ela, em tom meigo e mavioso. - Quero falar ao vosso amo e senhor, o generoso sultão Harun Al-Raschid, Emir dos Árabes!
O chefe dos guardas, zeloso da segurança do palácio, correu, radiante, a falar com o grão-vizir:
- Senhor, - disse, inclinando-se, humilde - uma linda e encantadora mulher, vestida como uma princesa, solicita audiência de nosso amo e senhor, o sultão Harun Al-Raschid, Emir dos Crentes.
- Como se chama?
- Chama-se a Fábula!
- A Fábula! - exclamou o grão-vizir, cheio de alegria. - A Fábula quer entrar neste palácio! Allah seja louvado! Que entre! Bem-vinda seja a encantadora Fábula: Cem formosas escravas irão recebê-la com flores e perfumes! Quero que a Fábula tenha, neste palácio, o acolhimento digno de uma verdadeira rainha!
E abertas de par em par as portas do grande palácio de Bagdá, a formosa peregrina entrou.
E foi assim, sob o aspecto de Fábula, que a Verdade conseguiu aparecer ao poderoso califa de Bagdá, o sultão Harun Al-Raschid, Vigário de Allah e senhor do grande império muçulmano!

Malba Tahan


texto e imagem - http://www.armazemdesonhos.com.br

10 comentários:

soniaconslt disse...

Adoro fábulas!
Jorge, te desejo um ótimo final de semana!
Um abraco afetuoso

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Caro amigo,Jorge. Escolheu um grande autor Malba Tahan. MUito boa fábula. Um abraço

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

BEM BACANA ESSA HISTÓRIA AS MULHERES PODEM USAR A FORMA QUE QUISER SEMPRE!
QUERIDO TENHA UM BELO E HARMONIOSO FIM DE SEMANA!

Heloise disse...

Gostei muito do seu blog, parabéns pela sensibilidade!


Estou ajudando e divulgando o blog Lar Cósmico

http://larcosmico.blogspot.com/

Se puder dê uma olhada fazendo uma visita.

Obrigada

Namastê

Blogat disse...

Moral da história: A verdade sempre aparece!!
Excelente escolha,Jorge!
BJS

Lena disse...

Oi, Jorge
Obrigada por estar sempre me prestigiando com suas visitas tão gentis aos meus blogs!
As fábulas são fantásticas e essa de Malba Tahan, não poderia ser exceção!
Bjs.

Maria José disse...

Querido amigo. As fábulas nos as verdades de modo brando e meigo, sem machucar. Adorei o texto. Beijos e ótimo fds.

Vinicius.C disse...

Nossa adoreii Jorge!

Sempre nos apresentando o melhor!

Um forte abraço meu amigo e um ótimo fds!

Nos encontramos no Alma do Poeta!

Vinicius.

jose vitor lemes disse...

Amigo Jorge!
Vou arriscar uma comentário, pois desconheço a profundidade do sentido.
Percebi que até a verdade precisa de artimanhas para conquistar a presunção dos homens!


Jorge! Estou dando uma saída por acúmulos de negócios. Breve retorno.
Terei prazer de retornar numa outra mensagem assim que voltar.
Agradeço pelo carinho da tua amizade. Vou sentir muita falta deste bate papo e dos comentários gentis.
Nos minutinhos que conseguir visitarei teu blog.
Deixo: Boa noite; bom dia; boa tarde enquanto estiver ausente.

Abraços

Kiro Menezes disse...

Há corações temerosos que preferem encontrar a verdade sob escusas ilusões que enfrentá-la frente a frente.

O fato é que "atrás de cada ilusão há a Verdade dolorosa!" (Por Abdruschin)

Linda parábola, querido ♥

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails