terça-feira, 18 de janeiro de 2011

OBSTÁCULOS




Este texto que estou a reproduzir aqui não é na realidade um conto, mas antes uma meditação guiada, delineada em forma de sonho destinado a explorar as verdadeiras razões de alguns dos nossos fracassos. Permito-me sugerir-lhe que o leia atentamente, tentando deter-se uns instantes em cada frase, visualizando cada situação.

Vou caminhando por uma vereda.
Deixo que os meus pés me levem.
Os meus olhos pousam-se nas árvores, nos pássaros, nas pedras.
No horizonte recorta-se a silhueta de uma cidade.
Fixo nela o olhar para a distinguir bem.
Sinto que a cidade me atrai.
Sem saber como, dou-me conta de que nesta cidade posso encontrar tudo o que desejo.
Todas as minhas metas, os meus objectivos e os meus logros.
As minhas ambições e os meus sonhos estão nesta cidade.
Aquilo que quero conseguir, aquilo de que necessito, aquilo
que eu mais gostaria de ser, aquilo a que aspiro, aquilo que tento, aquilo pelo que trabalho, aquilo que sempre ambicionei, aquilo que seria o maior dos meus êxitos.
Imagino que tudo está nessa cidade.
Sem duvidar, começo a caminhar até ela.
Pouco depois de começar a andar, a vereda põe-se a subir pela encosta acima.
Canso-me um pouco, mas não importa.
Sigo.
Avisto uma sombra negra, mais adiante, no caminho.
Ao aproximar-me, vejo que uma enorme vala impede a minha passagem.
Receio… Duvido.
Desgosta-me não conseguir alcançar a minha meta facilmente.
De todas as maneiras, decido saltar a vala.
Retrocedo, tomo impulso e salto…
Consigo passá-la.
Recomponho-me e continuo a caminhar.
Uns metros mais adiante, aparece outra vala.
Volto a tomar impulso e também a salto.
Corro até à cidade: o caminho parece desimpedido.
Surpreende-me um abismo que detém o meu caminho.
Detenho-me.
É impossível saltá-lo.
Vejo que num dos lados há tábuas, pregos e ferramentas.
Dou-me conta de que estão ali para construir uma ponte.
Nunca fui habilidoso com as minhas mãos…
… penso em renunciar.
Olho para a meta que desejo… e resisto.
Começo a construir a ponte.
Passam horas, dias, meses.
A ponte está feita.
Emocionado, atravesso-a e ao chegar ao outro lado… descubro o muro.
Um gigantesco muro frio e húmido rodeia a cidade dos meus sonhos…
Sinto-me abatido…
Procuro a maneira de o evitar.
Não há forma.
Tenho de o escalar.
A cidade está tão perto…
Não deixarei que o muro impeça a minha passagem.
Proponho-me trepar.
Descanso uns minutos e tomo ar…
Rapidamente vejo,
de um lado do caminho,
uma criança que olha para mim como se me conhecesse.
Sorri-me com cumplicidade.
Faz-me vir à memória como eu próprio era… quando criança.
Talvez por isso me atrevo a expressar em voz alta a minha queixa.
— Porquê tantos obstáculos entre o meu objectivo e eu?
A criança encolhe os ombros e responde-me.
— Porque mo perguntas a mim?
Os obstáculos não existiam antes de tu chegares…
Foste tu que trouxeste os obstáculos.

Jorge Bucay
Contos para pensar
Cascais, Editora Pergaminho, 2004


Imagem: Internet

11 comentários:

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Um texto de várias reflexões. Quando crianças, nada nos detém. Pulamos muros, passamos valas, subimos árvores, descemos e escalamos morros. Por que fraquejar quando adultos? Às vezes somos nós mesmos que criamos os obstáculos, como bem diz o texto e ainda que eles venham naturalmente,sejamos como as crianças, que nada as detém. Um abraçoa,amigo Jorge

mentoresdeluz.blogspot.com disse...

Meu prezado irmão que linda historia
parece nos fazer reviver passagens
das nossas vidas,e caminhos ja percorridos,passei por aqui para uma visita adorei suas postagens são
maravilhosas ,certamente voltarei mais vezes, atenciosamente Marlene

Jeanne disse...

Que legal, sempre uma criança para dizer o óbvio...
Adorei!
Beijos

SARA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
SARA disse...

Jorge Querido;
Joseph Campbel disse "O sentido da vida é aquilo que você atribui à ela."
Seria este o sentido da Vida?
Bjs.

Jorge disse...

Quando criança, a vida ainda não encheu a nossa mente de adulto. Cremos que crescer é deixar o nosso lado criança de lado. Quanto engano!!!

Meu amigo poeta, um forte abraço!!!

Jorge disse...

Marlene,
grato sinto pela sua visita a este cantinho e que tenha gostado das mensagens.
Espero que possas realmente voltar a me visitar.

Um beijo, de coração!!

Jorge disse...

Jeanne,

é mesmo, né?

Um beijo, Anjo!!

Jorge disse...

Sara,

que sentido damos à vida? Parece-me que cada um tem uma visão diferente, mas creio que o objetivo final é a felicidade. Apenas que cada um escolhe a maneira de lá chegar, mas a maioria esquece de viver o caminho.
Sentir a vida, pois é vivenciar cada momento, não importando a situação.

Anjo mineira, beijo!

Kelly disse...

Um texto para refletir e aprender, adorei, beijos

Marcia disse...

O desejo sempre pertinente a todo ser de alcancar um objetivo. A maneira de encará-los, vendo desafios ou nao, ou apenas seguindo sabendo que teremos que lutar (vencer, superar). Cada ser vê o desafio à sua maneira e o coloca grande ou pequeno. A crianca que representa a sabedoria do Universo nos mostrando que precisamos ver mais simplicidade nas coisas.
Uma linda quarta-feira para você, Beijos

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails